CPI COVID: Governo Bolsonaro sabotou controle da pandemia

CPI da Covid aqueceu os trabalhos no Senado nessa semana, e marcou os noticiários brasileiros, mostrando a sabotagem do Governo Bolsonaro ao controle da pandemia da Covid-19 no Brasil.

Foram ouvidos os ex-ministros da Saúde Mandetta e Nelson Teich, e o atual ministro Marcelo Queiroga.
Mandetta revelou que Bolsonaro ignorou alertas do Ministérios da Saúde, e descartou campanha de orientação e testagem da população. Além disso, o presidente quis alterar, por decreto, a bula da cloroquina.

Nelson Teich afirmou que sofria grande pressão para indicar medicamentos sem eficácia, que não houve planejamento para lidar com a segunda onda da Covid-19 no Brasil, e que não era consultado sobre questões de saúde.

O atual ministro da saúde, Marcelo Queiroga, foi o único que saiu em defesa ferrenha do Presidente Bolsonaro, deixou de responder perguntas importantes e se esquivou de respostas que comprometiam o governo. O ministro não deu novas previsões de vacinação para a população, e confirmou que a pasta inflou dados sobre doses de vacina. Queiroga também afirmou que tem autonomia dentro do Ministério da Saúde, mas a alega que a política adotada é a do Governo Federal, e conta que não foi consultado sobre o possível decreto presidencial contra o lockdown.

O ex-ministro Pazuello não compareceu à CPI, alegando que teve contato com duas pessoas infectadas pelo novo coronavírus, no entanto recebeu dois dias após o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, senadores avaliam condução coercitiva para depoimento.

A CPI continua na próxima semana. Está confirmada a presença do Diretor Presidente da ANVISA, Antônio Barra Torres; ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten; o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo; representantes da Fiocruz e Butantã; Presidente da Pfizer no Brasil; Representante da União Química.

Enquanto isso, o Brasil ultrapassa o número de 417 mil mortos por COVID-19. O Governo Bolsonaro precisa ser responsabilizado por esse genocídio.

Deixe uma resposta