O quilombo Campo Grande resiste!

RESISTIREMOS, RESILIENTES NA RESISTÊNCIA QUILOMBO CAMPO GRANDE!

A Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares vem através desta nota repudiar e prestar solidariedades a todas e todos os companheiros de luta que foram despejados no dia 14/08/2020, do território Quilombo Campo Grande em Minas Gerais. Desde a madrugada do dia 12/08/20 deu-se início ao processo de reintegração de posse do acampamentoQuilombo Campo Grande em Minas Gerais onde famílias moradoras da região estão há cerca de 22 anos.

Após falência da Usina Ariadnópolis, da Companhia Agropecuária Irmãos Azevedo (Capia), em 1996 trabalhadores da fazenda, onde atualmente se encontra o assentamento, aguardaram indenização pelo seu tempo de trabalho. Ao falir, os donos da empresa deixaram dívidas trabalhistas e as terras em situação de completo abandono, dívidas hoje avaliadas em 400 milhões de reais.

Ao longo desses 22 anos ao passo que as famílias esperavam pelas respectivas indenizações foram construindo as suas vidas, plantando, cuidando da terra, educando filhas e filhos sem perder de vista que o que produzem é suficiente para a subsistência familiar sem esgotar os recursos naturais locais.

Nos parece que subverter a lógica do capital perverso neoliberal e fascista que comanda as forças atuais do nosso país é extremamente perigoso. Que governantes em sã consciência de Projeto para o Povo permitiria que cerca de 450 famílias, desde crianças a idosos, fossem despejadas das suas casas, construídas a partir do labor coletivo com escolas sendo incendiadas, crianças ficando desaparecidas em meio ao caos, bombas de gás lacrimogênio sendo soltas, desespero, violência, banalização da vida, tortura, povo sendo torturado coletivamente aos olhos do mundo.

Não podemos assistir absortos às queimadas, desapropriações, perda de direitos individuais e coletivos acontecendo em franca pandemia quando nosso povo deveria estar o mais assegurado e seguro possível diante desse terrível momento de saúde pública que vivemos.

E nos perguntamos o porquê do termo #ZEMACOVARDE está sendo entoado enquanto nossas bandeiras tremulam nos céus de Campo Grande, nossos vídeos e fotos ocupam as redes sociais. Onde está a sua covardia governante, que se coloca em oposição à luta do povo deixando-o duplamente vulnerável intensificando a ameaça biológica do Coronavírus ao retirá-lo de seu território conquistado durante mais de 20 anos.

Parece-nos que a lógica da Casa Grande e Senzala não foi superada em nosso país. Parece-nos que essa lógica persistirá em nossa história, pois dos colonizadores europeus passamos as elites nacionais cujo projeto territorial e sócioeconômico para o país eram exatamente os mesmos, o de apropriação das pessoas e consumo dos recursos naturais. 

Levantamos a nossa bandeira junto com vocês Quilombo Campo Grande, cobriremos as nossas faces com nossos lenços, que nem o gás e nem a covid-19 nos tirem o ar, resistiremos valentemente como sempre fizemos desde a chegada do primeiro colonizador, levantaremos nossos punhos cerrados manchados ou não de sangue oriundos da truculência desse Estado e da parcialidade dessa Justiça.

Ressurgiremos Campo Grande e ressurgiremos mais fortes NOSSA TERRA CONQUISTADA SEMEADA COM A NOSSA LUTA!!!

REDE NACIONAL DE MÉDICAS E MÉDICOS POPULARES

 #despejozero#salvequilombo#ZemaCovarde

Deixe uma resposta