Boletim Brasil de Fato: UTIs lotadas, falta de remédio – nada a comemorar em semana com leve queda nos números

Da página do Brasil de Fato

É possível que a semana que se encerra neste sábado (24) consolide uma leve tendência de queda nos casos e óbitos por covid-19 no Brasil. Ainda assim, o colapso no sistema de saúde segue como realidade nos postos, pronto socorros e hospitais brasileiros.

Se for confirmada a interrupção na trajetória de crescimento, o país encerra um período que durou dois meses e que levou a rede de atendimento à falta de remédios, superlotação e até casos de pacientes com outras comorbidades que tiveram que interromper tratamentos.

:: Leia também: Brasil registra 2.914 mortes por covid em 24h, e Bolsonaro reduz gastos com pandemia ::

Na prática, os números mais baixos ainda não conseguem amenizar o cenário nas instituições de saúde. Isso porque os patamares alcançados são altíssimos e será preciso uma queda considerável para que o Brasil saia da situação de esgotamento.

Na segunda-feira (19), a Defensoria Pública do Rio de Janeiro revelou que hospitais vinham relatando falta de insumos e dificuldades para manter o abastecimentos dos kits de medicamentos para intubação, essenciais para pacientes que necessitam de suporte respiratório.

:: Leia também: New York Times destaca omissão de Bolsonaro por fome no Brasil durante a pandemia ::

No mesmo dia, dez leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para a covid foram bloqueados no Hospital Regional do município Peixoto de Azevedo (MT). Sem remédios, a unidade teve que fechar as vagas por falta de condições de atendimento.

Em Campinas (SP), o Ambulatório Médico de Especialidades (AME) completou uma semana da mesma medida. No Paraná, após a distribuição de um carregamento de medicamentos em diversos municípios, veio do próprio governo estadual a informação de que o material só atenderia a demanda por uma semana. 

Esses são só alguns exemplos das tragédias diárias que vêm ocorrendo nas instituições de saúde do Brasil. A história se repete nos estados e municípios. Profissionais da saúde relatam a necessidade até mesmo de amarrar pacientes por falta de sedação, além de constantes mudanças de protocolo para economizar insumos.

“É algo sem precedentes na saúde brasileira. Essa pandemia está ultrapassando todos os nossos limites”, relata a médica emergencista Tainá Vaz, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, em conversa no podcast A covid-19 na Semana.

Segundo Tainá Vaz, o cenário tem causado consequências diretas no estado dos pacientes, que estão mais expostos à sequelas e a piora de quadros que já são graves. “Os profissionais estão tendo que criar alternativas que, infelizmente, não são as mais adequadas, com potencial de sedação mais baixa e muitos efeitos colaterais”.

:: Leia também: Últimas notícias da vacina: pelo menos 16 mil pessoas receberam doses trocadas ::

Na quinta-feira (22), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) alertou: 22 estados estão com falta ou baixo estoque de bloqueador neuromuscular. Um dia depois, na sexta-feira (24), a Confederação Nacional de Municípios (CNM) relatou que pelo menos 591 cidades correm risco de ficar sem o kit intubação.

Também na quinta, o Presidente do Conass, Carlos Eduardo Lula, defendeu a suspensão por 60 dias de cirurgias eletivas em hospitais públicos e privados em todo Brasil, frente à gravidade da situação atual. Ele também sugeriu a suspensão de outros tipos de internação para casos de pacientes que não correm risco de vida. 

O cenário sugere, mais uma vez, gestão ineficiente por parte do poder público, “No começo da pandemia, tivemos muita dificuldade com os ventiladores. O Brasil não tinha o número de ventiladores para a quantidade de pacientes que iríamos absorver. Foram comprados os ventiladores, mas parece que esqueceram que, além do ventilador, precisaríamos das medicações”, diz Tainá Vaz.

Em um desabafo, a médica finaliza: “Nós temos o maior sistema público do mundo e a atenção básica muito bem estruturada. Nós perdemos uma grande chance de lidar com essa pandemia de forma exemplar. Estamos fazendo a pior gestão da pandemia”.

Edição: Poliana Dallabrida

Deixe uma resposta