CPI do Genocídio | Wajngarten mente sobre campanha “O Brasil não pode parar” e relator pede a sua prisão

A CPI da covid-19 teve ontem seu dia mais tenso com o depoimento de Fabio Wajngarten, ex-titular da Secom (a Secretaria Especial de Comunicação Social). O relator Renan Calheiros (MDB-AL) chegou a pedir a prisão do depoente: “Vossa Excelência exagerou na mentira”, disse.

Dentre as diversas mentiras contadas por Wajngarten, uma delas foi que desconhecia a inesquecível campanha “O Brasil não pode parar”, veiculada em março do ano passado (em sua gestão, portanto). A propaganda estimulava a população a seguir a vida normalmente quando governadores e prefeitos implementavam medidas restritivas. Mais tarde, ele disse ter “lembrado” da campanha, mas garantiu que não partiu dele a aprovação e que ela não havia sido veiculada por perfis oficiais. É mentira: a peça foi publicada nas redes sociais da própria Secom.

Sua desculpa para não se lembrar direito desses fatos foi a de que tinha testado positivo para covid-19, estando “fora” no mês de março. Porém, na época ele participou de uma transmissão ao vivo com Eduardo Bolsonaro, em que afirmou estar trabalhando normalmente. Ele também declarou ontem que a Secom não contratou influencers para propagandear o kit covid nas redes sociais, mas a Agência Pública mostrou recentemente que sim: agência Calia, contratada pelo governo, pagou R$ 23 mil a perfis famosos para isso.

O pedido de prisão foi negado pelo presidente da CPI, Omar Azis (PSD-AM) — ele disse que, como Wajngarten depôs na condição de testemunha, não caberia à Comissão julgá-lo. Segundo a apuração do Valor, sua decisão quebrou certo consenso que havia no G7 de que Wajngarten deveria de fato ser preso. No fim, Aziz optou por uma solução de “meio termo”: acatou a sugestão de Humberto Costa (PT-PE) para que o depoimento seja encaminhado ao Ministério Público, que pode decidir pela prisão.
.
Utilizamos trechos do boletim de notícias de Outra Saúde.

Assista ao trecho em que o relator da CPI pede a prisão de Fábio Wajngarten:

Deixe uma resposta